Jogador ou Professor: quem “vale” mais?